11 junho, 2018

(Pingente) Swadhisthana


Para os hindus, é o Swadhisthana (ou cidade do prazer, em sânscrito) e encontra-se na região do baixo ventre. É fisicamente ligado às gônadas – testículos (homem) e ovários (mulher) – e à energia feminina, ao útero materno, à procriação (à criação de outras coisas também, como projetos pessoais, profissionais), à gravidez. É responsável pela reprodução e troca sexual durante o sexo, e pelo controle de líquidos em todo o corpo humano.
O chacra sexual energiza toda a área genital e urinária, também cuida dafiltragem e circulação de líquidos nos rins e por expelir todas as excreções do corpo. É regido pela Lua (por isso tão vinculado ao feminino, à sexualidade, à maternidade e à criação) e pelo elemento água (vinculado ao liquido amniótico, às relações interpessoais, à autoestima, ao amor-próprio).
Na gestação, dentro do ventre da nossa mãe, ficamos 9 meses ligados a ela pelo cordão umbilical. No útero fomos abrigados e envolvidos pelo líquido amniótico, fomos nutridos por ele; por todos esses motivos, a saúde desse chacra mede e influencia a qualidade de nossa relação com a Terra, com a família, com as pessoas em geral, e com nós mesmos. Ele representa nosso corpo emocional, armazena emoções vividas em relacionamentos, e nos dá a missão de interagir com o mundo, com aquilo que está ao nosso redor de forma harmoniosa.
Também pode ser chamado de chacra sacro, e apresenta a cor laranja, roxa ou vermelha (dependendo das circunstâncias). É o chacra da troca sexual e da alegria. Muitas escolas espirituais evitam falar sobre este chacra e colocam em seu lugar o chacra esplênico (ou chacra do baço).
Quando está bloqueado, causa impotência sexual ou desânimo, problemas de relacionamento, baixa autoestima. Quando hiperativo, causa intenso desejo sexual e outras compulsões. Se o chacra sexual estiver saudável, ele estimula o melhor funcionamento dos outros chacras e ajuda no despertar da kundalini; a pessoa tem uma autoestima equilibrada, consegue aproveitar e apreciar os prazeres da vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário